Vacinas

O bebê prematuro é aquele que nasce antes da 37ª semana de gestação. Eles requerem cuidados intensos, muitas vezes precisando ficar internados em unidades de terapia intensiva (UTI). É natural que nessa fase a família fique muito preocupada, mas é importante saber que ao longo dos anos a medicina tem evoluído muito, possibilitando desenvolvimento pleno e saudável para grande parte dos bebês prematuros. 

A vacinação é essencial para garantir a saúde desses pequeninos, que têm o sistema imunológico ainda menos desenvolvido. Trouxemos aqui a lista de vacinas que o bebê prematuro precisa tomar, de acordo com a Sociedade Brasileira de Imunizações.

VACINAS ESPECÍFICAS PARA BEBÊS PREMATUROS

Anticorpo monoclonal específico contra o VSR (palivizumabe)

Uma das proteções mais importantes é o palivizumabe, que não é exatamente uma vacina, mas uma imunoglobulina, ou seja, um anticorpo que induz a imunização contra o vírus sincicial respiratório (VSR), contra o qual ainda não existe vacina. A idade em que os bebês vão recebê-lo varia de acordo com a idade gestacional. Esse composto é EXCLUSIVO para prematuros. 

É um produto seguro, que apresenta reações raras, leves e transitórias.

São aplicadas doses mensais de acordo com o peso da criança, durante o período de maior circulação do vírus. Saiba as recomendações, inclusive para recém-nascidos hospitalizados. 

• Prematuros até 28 semanas gestacionais, no primeiro ano de vida.

• Prematuros até 32 semanas gestacionais, nos primeiros seis meses de vida.

• Bebês com doença pulmonar crônica da prematuridade e/ou cardiopatia congênita, até o segundo ano de vida, desde que estejam em tratamento destas condições nos últimos seis meses.

O vírus sincicial respiratório é uma das principais causas de infecções das vias respiratórias e pulmões em recém-nascidos e crianças pequenas, e um dos vírus que podem causar infecções nos brônquios. Ele é transmitido de forma semelhante à gripe, de pessoa para pessoa, por secreções das boca e do nariz emitidas por meio da fala, tosse ou espirro, por exemplo. 

Vale lembrar que as crianças que nasceram a termo (ou seja, acima de 37 semanas) também precisam de uma série de vacinas. 

Imunoglobulina humana anti-hepatite B (IGHAHB) 

Para recém-nascidos filhos de mães portadoras do vírus hepatite B. Aplicar de preferência entre as primeiras 12 e 24 horas de vida, até o sétimo dia de vida do bebê.

Imunoglobulina humana antivaricela zóster (IGHVZ) 

Recomendada nas primeiras 96 horas de vida para: 

  • Prematuros nascidos entre 28 semanas e 36 semanas de gestação expostos à catapora quando a mãe tiver história negativa para a doença.
  • Para prematuros nascidos com menos de 28 semanas de gestação ou com menos de um quilo e expostos à varicela, independentemente da história materna. 
  • Independente da idade gestacional, recomendar para o recém-nascido cuja mãe tiver apresentado quadro clínico de catapora de cinco dias antes do parto até dois dias depois.

Imunoglobulina humana antitetânica (IGHAT) 

Recomendada para recém-nascidos prematuros com lesões de risco para tétano, independentemente da história vacinal da mãe. 

OUTRAS VACINAS IMPORTANTES PARA BEBÊS PREMATUROS 

BCG – Contra tuberculose. Dose única que deve ser aplicada o quanto antes, de preferência ainda na maternidade, em bebês com mais de 2 quilos – se a criança não tiver esse peso ao nascer, é preciso aguardar até que ela atinja. Em casos de histórico familiar, suspeita de imunodeficiência ou recém-nascidos cujas mães fizeram o uso de biológicos durante a gestação, a vacinação poderá ser adiada ou contraindicada (é sempre imprescindível conversar com um médico). 

Hepatite B – São quatro doses em recém-nascidos com peso inferior a dois quilos ou com idade gestacional menor que 33 semanas, que podem ser aplicadas conforme dois esquemas: ao nascer, quando tiver um mês de vida, quando tiver dois meses de vida e aos seis meses de vida; ou ao nascer e aos dois, quatro e seis meses de vida. A primeira dose deve ser nas 12 primeiras horas de vida. A vacina pode ser combinada, inclusive em recém-nascidos hospitalizados, com as contra difteria, tétano e coqueluche, poliomielite e Hib.

Rotavírus – De acordo com a idade cronológica, iniciando aos 2 meses de vida, no máximo aos 3 meses e 15 dias de vida. Contraindicada em ambiente hospitalar. Para recém-nascidos prematuros, hospitalizados ou não, a indicação é utilizar o imunizante acelular, que causa menos efeitos adversos. 

Haemophilus influenzae b – Vacina contra uma bactéria que causa pneumonia. Iniciar a vacinação aos 2 meses de vida, com reforço aos 15 meses. 

Poliomielite inativada (VIP) – Iniciar aos 2 meses de vida e preferir as vacinas combinadas (ver Hepatite B). 

Pneumocócica conjugada – Iniciar aos 2 meses de vida. Quanto menor a idade gestacional e o peso ao nascer, maior a chance de a criança desenvolver doença pneumocócica invasiva. 

Meningocócicas conjugadas ACWY/C – Iniciar aos 3 meses de vida. A meningocócica B deve ser aplicada em separado das conjugadas e da contra coqueluche, para evitar efeitos adversos.

Meningocócicas B – Crianças entre 3 e 12 meses devem receber duas doses com intervalo de dois meses entre elas, idealmente aos 3 e 5 meses de idade, e uma dose de reforço entre 12 e 15 meses de idade. 

Influenza – Vacinar a partir dos seis meses de vida, de acordo com o período de maior circulação do vírus (no Brasil, entre o outono e o inverno).

Febre amarela – Também de acordo com a idade cronológica, aos 9 meses e aos 4 anos de idade.

Aqui na Sorocaba, você conta com a comodidade da vacinação a domicílio ou na clínica, se preferir, com uma série de técnicas e cuidados para diminuir o desconforto das picadinhas. A família também tem a comodidade de montar o plano vacinal: de acordo com a recomendação médica, escolher quais vacinas quer aplicar conosco, de modo que o bebê fique sempre protegido por um preço que cabe no bolso.

Conte com a gente para proteger o seu pequeno!

Tags :

Deixe um comentário